RELATÓRIO DA ONU DESMENTE A DEMOCRACIA RACIAL BRASILEIRA

13 set branco_negro

branco_negro

Eu sempre digo que uma das maiores hipocrisias de todos nós no Brasil é dizer que não se tem racismo no Brasil, e que somos um país com chance para todos. Agora foi a vez da ONU mostrar que não saímos da casa grande e senzala (o que veementemente ignoramos)

O Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Afrodescendentes esteve aqui entre os dias 3 e 13 de dezembro de 2013, a convite do governo brasileiro (que deve ter tido a arrogância de achar que resolveu esta mazela também e quis fazer bonito) e divulgou seu relatório dia 4 de setembro, durante a 27ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, que vai de 8 a 26 deste mês.

E o que diz este documento?

Ele apresenta o quadro legal e de políticas relativas aos direitos humanos das pessoas de ascendência Africano no Brasil, ressaltando desenvolvimentos positivos e algumas falhas de implementação que precisam ser abordadas. O relatório descreve a situação, destaca as melhores práticas, os principais desafios identificados e faz recomendações concretas.

O documento afirma em seu desenvolvimento e conclusão que:

  • O Brasil vive em um “mito de democracia racial”, o que dificulta para os negros discutir o tema;
  • “o racismo permeia todas as áreas da vida no país”;
  • há um “racismo institucionalizado” e uma “ideologia de embranquecimento” na sociedade brasileira, inclusive no ensino;
  • o desemprego é 50% maior entre afrodescendentes e a média salarial dos brancos é o dobro do salário dos negros.
  • a educação é uma das principais áreas de discriminação e uma das principais fontes de desigualdade
  • mais da metade dos negros não tem saneamento básico adequado no país;
  • como a sociedade ainda nega a existência de praticas racistas, estas questões acabam não chegando no judiciário e, quando chegam, dificilmente são penalizadas;
  • a expectativa de vida entre os negros é de 66 anos, enquanto que a dos brancos é a de
  • Em muitos casos, a maior parte das agressões e mortes de jovens afro-brasileiros são realizados pela polícia militar.

“O Grupo de Trabalho entende que a violência perpetrada contra os jovens afro-brasileiros não vem apenas de agentes do Estado, mas também de grupos criminosos organizados, muitos dos quais envolvem jovens afro-brasileiros em suas atividades. No entanto, o Estado tem a responsabilidade de respeitar o direito à vida de todos os cidadãos, para protegê-los da violência e tomar providências para o cumprimento do seu direito à vida. OS NÚMEROS DESPROPORCIONAIS DE AFRO-BRASILEIROS QUE VIVEM NAS ÁREAS MAIS POBRES, QUE SOFREM COM O CRIME E A VIOLÊNCIA SIGNIFICA QUE O DIREITO A UMA VIDA SEM VIOLÊNCIA NÃO ESTÁ SENDO CUMPRIDA PELO ESTADO PARA OS AFRO-BRASILEIROS.”

Como eu defendo sempre que cada um tem que ter suas opiniões sobre os fatos, e porque não achei em nenhum lugar no Brasil o relatório, rastreei no Sistema ONU e achei o arquivo do report, que pode ser baixado aqui ( A.HRC.27.68.Add.1_AUV) Leia, tire suas conclusões e divulgue.

Fontes:

A evolução da intolerância religiosa no Brasil: até onde iremos permitir?

18 jul
Na imagem, tomada de Lisboa e pastor chutando uma imagem de Nossa Senhora Aparecida

Na imagem, tomada de Lisboa e pastor chutando uma imagem de Nossa Senhora Aparecida

Dados apontam que a os católicos deixarão de ser maioria no país em 2030, ficando empatados com os evangélicos até meados de 2040, passando estes então a ser a maioria.

Tenho acompanhado a questão, por interesse particular, já faz um tempo (tenho até hoje o caderno especial da Folha de São Paulo sobre o tema, com a foto de capa de um pastor chutando a imagem de Nossa Senhora Aparecida). Vendo as manifestações de intolerância feitas recentemente tanto pelo Poder Público, que em diversas cidades vem fechando terreiros ou impedindo a instalação de novos (vide casos no Distrito Federal ou pesquise no Google “perseguição” terreiros”) como o recente caso de tentativa de invasão de grupos evangélicos de um terreiro em Olinda (vide a matéria “Evangélicos tentam invadir terreiro em Olinda” com os links das imagens gravadas da tentativa de invasão) imagino o que nos espera na metade deste século. Não damos a devida atenção ao caso porque nosso pensamento coletivo é que somos um país tolerante, com situações como esta só ocorrendo no exterior. Pesa também nosso bom e velho preconceito velado, visto se tratarem de religiões dos escravos negros, por muitas vistas de forma pejorativa.

Permitiremos que uma cultura de intolerância que já existe há séculos em outros países se instale definitivamente em terras brasileiras? Negar a continuidade de cultos afros é um passo para negar nossa origem africana (o que, no meu caso, infelizmente a pele branca esconde), o que vi já acontecer em conversas com amigos lusos sobre a etnia árabe na formação do seu povo (afinal de contas, a mídia providenciou a associação de tudo que é árabe ou islâmico com terrorismo).

Faço um paralelo voltando ao tema Portugal, o qual já estudo faz um tempo. Parece que existe uma prática comum em religiões em consolidação e novas ordens religiosas em praticar atos de agressividade e intolerância contra outras religiões. Voltei a ler “A primeira Aldeia Global” que resgata com honra a importância de Portugal para a formação do mundo que hoje conhecemos. Destaco o período de ocupação árabe na península ibérica, iniciado em 711 e que permaneceu por 400 anos em terras lusas (mais 250 em terras espanholas). Pois bem, nessa sociedade criada existia uma convivência pacífica entre judeus, cristãos e mulçumanos que gerou frutos em diversas áreas do conhecimento científico. A necessidade de terminar com esta “sociedade de hereges” foi a motivação que faltava para o Papa da época criar a Ordem Templária, que aliciou cavaleiros por toda a Europa para acabar com o domínio árabe, a caminho de mais uma Cruzada. Não se contentavam em tomar as cidades, mas visavam o saque, o extermínio de populações locais e a destruição de qualquer traço da cultura árabe nas terras conquistadas. Engana-se que acha que a Portugal que conhecemos existia já antes do período mouro. O país foi criado a partir desta intervenção da ordem religiosa católica, para a instituição de uma nação cristã modelo.

O Brasil empurra seus problemas de preconceito racial e intolerância religiosa para debaixo do tapete, mantendo o falso discurso da amabilidade, receptividade e convívio pacífico de seu povo. Precisamos hoje começar a discutir os aspectos gerais desta questão, sob pena da coisa toda ficar grande demais e sem chance de controle. Hoje vemos a invasão de terreiros. Permitiremos que isto continue, passando também para centros espíritas, mesquitas e sinagogas, antes de deixarmos a hipocrisia de lado em favor de um diálogo necessário?

Dica BH: Festival SACI (Sociabilização, Arte e Cultura na Infância) começa hoje

14 jul

Imagem

A dica para quem vive ou visita BH esta semana, tendo pimpolhos ou não, é o Festival SACI (Sociabilização, Arte e Cultura na Infância), que ocorre a partir de hoje, 14 até 22 de julho, com programações diárias de música, teatro, dança, cinema, atividades lúdicas e jogos digitais para os pequenos. Entre as atrações temos o estilista Ronaldo fraga, Palavra Cantada e Pato Fu. O Festival ocorre no Sesc Palladium, no Oi Futuro e no Parque Municipal.

Maiores informações no site: http://www.festivalsaci.com.br/2012/

12 e 13/05 – FCS: Concertos no Parque neste fim de semana em dose dupla em homenagem à Rede Globo

11 maio

Palácio das Artes 
Concertos no Parque | De 12 a 13 de maio de 2012 
Parque Municipal Renné Giannetti

Parque Municipal recebe, no segundo final de semana de maio, mais uma edição da série Concertos no Parque. No dia 12, sábado, o Coral Lírico de Minas Gerais(CLMG) interpreta trechos de óperas de renomados compositores, às 16h30. Já às 10h de domingo, dia 13, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG) se junta aTúlio Mourão para celebrar o dia das mães com obras eruditas e populares. 

Porgy and Bess, de George Gershwin, Madame Butterfly, de Giacomo Puccini, e Guarani, de Carlos Gomes, serão algumas das peças apresentadas pelo CLMG no sábado. Com a regência do maestro Márcio Miranda Pontes, é a segunda vez que o Coral Lírico participa do Concertos no Parque, série que visa à democratização da música erudita.

A jornalista da Rede Globo, Isabela Scalabrini, será responsável pela apresentação do segundo dia da série Concertos no Parque. A Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, comandada pelo maestro residente Gabriel Rhein-Schirato, iniciará o concerto de domingo com obras de Georges Bizet. Em seguida, a OSMG se reúne a Túlio Mourão e presenteia o público com clássicos da música popular brasileira. Entre os compositores escolhidos para esta edição, estão Milton Nascimento e Alberto Nepamuceno.

OSMG
Fundada em 1976, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, um dos Corpos Artísticos da Fundação Clóvis Salgado, é considerada uma das mais importantes do país. Interpreta um repertório que compreende todos os períodos da história da música escrita para orquestra: óperas, balés, concertos, poemas sinfônicos e grandes obras sinfônico-corais, em apresentações ao ar livre, na capital e no interior. Seu regente titular é o premiado maestro Roberto Tibiriçá, vencedor pelo segundo ano consecutivo do Prêmio Carlos Gomes de ópera e música erudita, na categoria regente sinfônico pelo seu trabalho à frente da nossa Orquestra.  

Gabriel Rhein-Schirato  

Maestro residente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, Gabriel Rhein-Schirato é bacharel pelo Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Ao final do curso, foi congratulado com uma rara “Láurea por Excelência Acadêmica”. Prosseguiu por quatro anos seus estudos de especialização e pós-graduação na Alemanha. Em dezembro de 2007 foi aceito na “Accademia Superiore Città della Musica e del Teatro” – Pescara, Itália – para o “Corso di Alto Perfezionamento Musicale”.

Túlio Mourão

Mineiro de Divinópolis, Túlio é senhor de uma rica trajetória na música brasileira, que tem como início, o grupo Mutantes. Artistas renomados gravaram suas composições, como Maria Bethânia, Ney Matogrosso e Milton Nascimento. Túlio possui 10 CDs solo e é tambem detentor dos mais importantes prêmios brasileiros para trilha sonora para cinema. O compositor também tem em seu leque de atividades, o trabaho de arranjador, produtor de discos, curador e diretor musical de festivais e eventos, como Festival Tudo É Jazz, Música no Parque, BH Jazz, entre outros.

>> Clique aqui para ver o programa das apresentações.

Serviço
Evento: Concerto no Parque 
Data: 12/05 (Coral Lírico de Minas Gerais) e 13/05 (Orquestra Sinfônica de Minas Gerais)
Local: Parque Municipal Renée Giannetti
Horário: 12/05 (16h30) e 13/05 (10h)
Duração: 1h10
Entrada Gratuita. 
Classificação etária: Livre
Informações: (31) 3236-7400

06/05 – 19:00 hs – Praça do Papa recebe a primeira apresentação da série Clássicos no Parque, 2012, da Filarmônica de Minas Gerais

6 maio

Imagem

Clássicos no Parque

Praça do Papa recebe a primeira apresentação da série Clássicos no Parque, 2012, da Filarmônica de Minas Gerais

Um dos mais belos cartões postais de Belo Horizonte, a Praça do Papa recebe pela primeira vez, no próximo domingo, 6 de maio, às 19h, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, que dá início à série Clássicos no Parque 2012. Sob a batuta do maestro Marcos Arakaki, regente assistente da Filarmônica de Minas Gerais, será interpretado repertório intenso e variado, como Aïda: marcha triunfal, de Verdi, Melodia Sentimental, de Villa-Lobos, O Aprendiz de feiticeiro, de Dukas, La muerte del Angel, de Piazzolla, Os caçadores da Arca Perdida, de J. Williams, e Abertura 1812, de Tchaikovsky. A entrada é franca.Marcos Arakaki é quem conduz a apresentação da série Clássicos no Parque. Atuando como regente assistente da Filarmônica desde o começo da Temporada 2011, conduziu a Orquestra em concertos por 14 cidades do interior de Minas Gerais, além das séries Vivace, Concertos Didáticos, Concertos para a Juventude e Clássicos no Parque. Marcos Arakaki já esteve à frente de importantes orquestras no Brasil e no exterior e, em 2001, venceu o I Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Jovens Regentes promovido pela Orquestra Petrobras Sinfônica e, oito anos depois, o I Prêmio Camargo Guarnieri promovido pelo Festival Internacional de Campos do Jordão.

6 de maio, domingo | 19h
Praça do Papa | Entrada franca 

Marcos Arakaki, regente

VERDI Aïda: Marcha Triunfal
VILLA-LOBOS Melodia Sentimental
DUKAS O Aprendiz de feiticeiro
 PIAZZOLLA La muerte del angel
J. WILLIAMS Os Caçadores da Arca Perdida
TCHAIKOVSKY Abertura 1812, op. 49

Do Café Portugal: Lisboa – Encontro com Azeites&Vinagres

20 fev
Foto:Café Portugal

Foto:Café Portugal

 

Recebi esta da Comunidade Descobrir Portugal no Facebook, do ótimo site de informações sobre a terra lusa chamado Café Portugal. Já sabia da ViniPortugal e a possibilidade de fazer degustações de bons vinhos lusos na Praça do Comércio. Agora o prazer se amplia com os encontros com Azeites e Vinagres,  evento em parceria com a Casa do Azeite.

Uma dica imperdível para uma bela visita à Lisboa.

Segue a matéria abaixo:

—————————————————————– Continuar lendo

84º Aniversário de Tom Jobim

25 jan

O maestro soberano Tom Jobim faria 84 anos hoje…. a Google o homenageou conforme vocês podem ver abaixo

Fica aqui minha homenagem com minha música preferida, WAVE.

Saravá.